Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

riscos_e_rabiscos

.

.

Uma Questão de... Peças!

Estava eu muito sossegadinha a escrever aqui no computador, quando o meu irmão, que às vezes tem alguns parafusos a menos,  me diz:

 

Irmão: Olha, quando puderes vai ao teu Facebook, vai ao meu jogo e manda-me um parafuso...

 

Eu: ............ AHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAH............. - desatei a rir-me a bandeiras despregadas, de tal maneira que me caiam as lágrimas e ia morrendo engasgada.

 

Para os outros pode não ter grande graça mas pra mim... {#emotions_dlg.lol} Demais! Já não me ria assim há alguns trezentos anos!

Sopro de velas insólito.

O meu irmão fez anos no sábado. O tempo não está para festanças porque não há dinheiro mas também não há necessidade de deixar passar em branco um aniversário. E eu jamais permitiria que isto acontecesse, ainda pra mais o meu irmão sente-se o parente pobre da família: ele acha que a família não se lembra dele, que nunca o convida e o inclui em nada, e que nem tem direito a prendas (quer de anos ou Natal).

 

E eu até compreendo isto que ele sente. Antes era o bijuzinho da família mas depois cresceu. E de menino fofinho e lindinho passou a adolescente e depois a adulto. O processo normal de crescimento.

 

Mas continuando, fiz um lanchinho na minha casa para meia dúzia de pessoas mais chegadas. Fiz uns docinhos, umas sandochas, um granda pão com chouriço (obra do N.) e um bolo de aniversário de chocolate.

Estivémos todos em amena cavaqueira e a atacar a mesa até à hora de cantar os parabéns e apagar as velas. Montei as velas no bolo, o foguete (ou lá como se chama e que ainda por cima estava falido!), apaguei as luzes e começámos todos: parabéns a você... lá lá lá lá... e, de repente, mesmo na hora H o meu irmão recebeu um telefonema. Em vez de ignorar, atendeu o telefone e pisgou-se dali para falar...

 

Isto é mesmo coisas à meu irmão!!! Mas quem é que já viu alguém que, na hora de apagar as velas, resolve pisgar-se para atender um telefonema?!? Eu sei que há pessoas que não querem apagar as velas para não fazerem mais um ano mas esse é um processo irreversível.

Ora eu, pasmada com esta atitude, fui atrás domeu irmão de máquina fotográfica em punho e a cantar em altos berros o "Parabéns a você".

 

(a prova do crime)

 

Em suma, o meu irmão lá voltou para a mesa, as velas forma sopradas, mais um ano foi acrescentado e, no fim, deliciamo-nos com o bolo de chocolate com recheio de leite condensado e maltesers. Ainda pensei em trazer um bocadinho aqui para o blog para vocês provarem mas...os gulosos acabaram com o bolo sem que eu desse por isso...!

Piada Do Dia.

 

O meu irmão tem uma ferida no pé por causa de uns ténis novos. E como estava a dizer que tinha os pés cansados, a minha mãe preparou-lhe um alguidar com água morna e sal.

 

Às tantas e depois de enfiar os pés dentro de água, vira-se para a minha mãe e diz:

 

- Está-me a arder...

 

A minha mãe responde:

 

- É por causa do sal...

 

Resposta bestial do meu irmão:

 

. Não devias ter posto sal... faz mal ao colesterol...!

 

Ahahahahahahhahahahahahhahhahahaha!

(Miss Pepper caiu da cadeira abaixo com a risota...!)

 

O Meu Irmão Odeia-me.

 

É isso mesmo. Gostava que assistissem à maneira como ele fala comigo. Raramente digo alguma coisa acerca da vida dele mas se o chamo à razão ou dou algum conselho que não lhe agrada, desata a gritar comigo cheio de raiva e ódio.

 

E as vezes que ele já me pôs fora de casa dos meus pais? Sim, eu sei que sou indesejada. Tenho a consciência de que acham que estou aqui a mais. Principalmente o meu irmão.

 

Depois arranjou uma namorada que é do género "não vou que me levam". A miúda é esperta mas só para o que lhe convém e mexer-se ou trabalhar, dá trabalho e faz "calos". Falta-lhe o empenho e a esperteza para ir à luta.

 

Está prestes a ficar na rua pois tem de sair do quarto onde vive até amanhã e ainda não mexeu o cu (desculpem a expressão) para arranjar outro. Saiu do emprego onde estava mas mexer os dedos e os pés para ir à procura de outro... dá muito trabalho. Eu e a minha mãe temos-lhe dado imensos anúncios a que ela não responde. Sem experiência de quase nada, com cem cães a um osso à procura do mesmo emprego, com um corpo nada atractivo, e com a falta de vontade e motivação para fazer alguma coisa, de que é que ela está à espera? Empregos caídos do céu são uma utopia, pelo menos para ela que nem é daqui.

 

Ainda por cima ela tem um orgulho imenso, não se lhe pode dizer nada que fica ofendida. Quem precisa, tem de baixar a crista pois se não fosse a minha mãe ela já tinha passado muita fome. E quando não se pode dizer nada a quem devia ouvir, diz-se sempre ao mesmo. É sempre o mesmo a ouvir. A pobre da minha mãe ouve cada coisa...! São pobres e mal agradecidos. Mesmo. E ainda nos mandam calar. Eu apenas respondo que só me calarei quando morrer e mesmo assim não sei. É ver o ódio a crescer...

 

Sonho ou Pesadelo?

 

 

 

 

 

Já vos contei que o meu irmão é um rapaz que fala muito enquanto está a dormir. É gajo para contar anedotas, dizer adivinhas, andar aos beijos com as suas “paixões” e até proferir alguns palavrões que ferem os ouvidos. Ah, e fora as discussões com interlocutores incógnitos!

 

Esta noite passou-se uma situação caricata. Adivinhem lá quem foram as personagens famosas da história?! Pois…

 

***

 

O meu irmão chegou tardíssimo a casa e, depois de levar o pobre Bóbi aflitinho para verter águas à rua, entrou em casa e refugiou-se na cozinha ao telefone. Eu perdi a conta ao tempo de conversa. É sempre a mesma coisa!

 

Estava eu num sono de beleza, repousante e regenerador, quando a minha mãe vai “espreitar” o meu irmão à cama. No momento em que espreita no quarto ele deve ter murmurado alguma coisa pois eu só oiço:

 

- S. desliga imediatamente essa porcaria porque já não são horas de estar ao telefone! São 4 da manhã!

 

Estranhei esta conversa, até porque tinha visto o meu irmão colocar o telefone a carregar. E mais… eu nem sequer o tinha ouvido falar!

 

A minha mãe deitou-se e vociferou do meio dos lençóis:

 

- Não te aviso mais vez nenhuma. Vou aí, arranco-te o telefone e mando-to para o lixo!

 

Eh lá, que ela está brava, pensei eu. Se calhar quando devia actuar, não actua. Mas também reconheço que é mais fácil fazer cumprir as nossas “ordens” quando o “ordenado” está a dormir.

 

Só a oiço levantar-se furibunda. Foi directa ao meu irmão verificar se ele tinha largado o telemóvel. Vasculhou a cama dele à procura do dito cujo e depois chegou à brilhante constatação de que o S. estava a dormir profundamente.

 

Opa, que ela ande a cascar merecidamente na cabeça do meu irmão, tudo bem mas que não me deixe dormir a mim é que está muito mal!!!

 

 

Dorme e Cala-te!

 

Embora não seja tema constante, já todo vocês sabem que tenho um irmão. O meu único irmão. E mais novo. E é puto. E protegidinho da mamã.

 

É puto e com isto digo tudo. É a coisinha mais despassarada que existe ao cimo da terra. Consegue superar-me. Mas ao mesmo é tempo hilariante.

 

Sempre falou muito durante a noite, durante o sono, enquanto sonha. Fala, resmunga, zanga-se. Tudo a dormir. Hoje foi noite de “festival”. Sim, é que ele não é moderado a sonhar… fala bem alto, todos ouvem!

 

Esta noite estava a sonhar com carros, conduções, estacionamentos e batidas. Só o oiço aos berros a avisar alguém que ia bater contra a parede. Depois foi a vez da “compra do carro”. Fartou-se de dar conselhos, na sua área de especialização, em relação ao carro em vista. Por fim, foi para night. Então, estava a convencer alguém a ir também e só dizia: “anda lá com a gente, pá! É para dares moral ao pessoal!”. Ahahahah!

 

Mas uma vez foi realmente de cair da cama a rir. Literalmente. Foi na noite em que ele contou uma anedota. Pensei que ele estava a falar comigo e respondi-lhe. Oiço-o dizer “O que é que um homem tem entre as pernas?”. Pausa de tempo para resposta e depois diz: “os joelhos”. Virou-se para o outro lado e continuou a dormir…

 

Tinha que sair-me uma especialidade saloia na rifa, não era?! Humpf!

 

P.S. – Fui perseguida por um pombo até ao interior do café! Veio atrás de mim, sobrevoou a minha cabeça o café e depois saiu. Digam-me lá, isto é normal, é? Não é…! É?

 

Ninguém me Compreende

 

Acabei de discutir com a minha mãe. Motivo: vinda do meu irmão para a Internet. Mais uma vez.

 

O menino hoje acordou todo chateado comigo e nem me falava. Simplesmente porque ontem não veio falar com os seus amigos no computador. Ontem fiquei cá eu a falar com as minhas amigas, uma vez que raramente consigo falar com elas. Quando eu saio, elas entram. Raramente nos cruzamos.

 

Levei o dia inteiro a ouvir “vê lá se o deixas ir ao computador hoje um bocadinho. Ontem não foi e ficou todo triste!". Como se só raramente viesse. Vem para aqui todos os dias. A partir das dez da noite até que lhe apeteça. Passa aqui mais tempo do que eu…

Agora explodi. E disse que também tenho direito por “um” dia a ficar a falar com as minhas amigas. Tenho, ou não? Mandaram-me logo à cara que a minha idade é diferente da dele e que se não falo com as minhas amigas é porque não quero.

 

Expliquei que todos os dias, cronometradamente, às 10 horas saio daqui. Para o meu irmão vir para aqui. Disse ainda que nunca falo com ninguém – a não ser com o N. – porque as pessoas têm vidas diferentes das minhas e só aqui vêm mais tarde.

 

É impressionante como ninguém nunca compreende a minha parte. Mas já estou habituada. Tem sido sempre assim. Estou de rastos.